Menu



Eleita a melhor rádio da Internet pela *A.P.C.A. 

( Associação Paulista de Críticos de Arte)

"Música e literatura em todos os cantos"

Conservatória: A Capital da Seresta e da Serenata.

"Em cada Casa uma Canção, em cada Canção uma Saudade" 

A apenas duas horas e meia do Rio, você pode, ao som dos violões, olhar o céu sempre cheio de estrelas, pisar o chão molhado de orvalho, esquecer o saldo bancário e o tempo. Os Seresteiros cantam sob as janelas, o túnel chora de saudade, a cachoeira lhe convida a um banho refrescante e o balé dos vaga-lumes ilumina a escuridão. Em cada casa uma placa eterniza uma canção e lhe faz reviver o passado. Conservatória é um "Pedacinho do Céu". De lá nosso amigo Roberto Velasque comanda a Rádio Sarau. 

Irmãos Freitas.

Joubert Cortines de Freitas e José Borges de Freitas Neto ou simplesmente irmãos Freitas, são nomes de fundamental importância para a preservação das serenatas de Conservatória.  Chegaram a este vilarejo em 1938, ainda adolescentes, e ao encontrar este movimento musical nas ruas, se integraram imediatamente passando mais tarde a sua liderança. Idealizadores do " Projeto em toda casa uma canção", que visa perpetuar os nomes dos compositores, e as mais belas canções brasileiras de amor presentes na alma lírica de nossa população. A originalidade deste projeto que teve início na década de 60, e foi encerrado em 2003 com 403 placas não repetidas, envolveram os moradores e despertaram o interesse da imprensa nacional e estrangeira, acarretando com isto o fomento de um turismo cultural. Também criaram o museu da Seresta e Serenata, hoje seu acervo encontra-se dividido entre a Casa da Cultura e o Centro da Memória da Serenata de Conservatória. Deixaram também um legado de princípios éticos que norteiam a conduta dos seresteiros até hoje.

A Era de Ouro do Rádio está de volta.



O rádio teve sua expansão mundial após a Primeira Guerra  (1914-1918), quando houve grande desenvolvimento nos meios eletrônicos e de comunicação para fins militares.

No Brasil, o rádio atingiu seu apogeu em 1930, como principal veículo de comunicação em massa, na mesma época em que o país era governado por Getúlio Vargas. O rádio era utilizado principalmente como ferramenta para divulgação e propaganda para o governo federal.

Nesse período, iniciou-se a chamada “Era de Ouro do rádio”, quando ele passou a se popularizar e torna-se um meio de entretenimento. Antes disso, o rádio não era explorado para publicidade ou informação como hoje. Na época, o presidente estabeleceu concessões às empresas particulares para o uso do rádio e, em troca, utilizava o meio como propaganda para divulgar seus feitos e enviar mensagens políticas aos ouvintes no programa obrigatório “A hora do Brasil”, que mais tarde tornou-se “A voz do Brasil” (transmitida até hoje divulgando notícias dos três poderes do país).

Além da Rádio Nacional, outras grandes rádios surgiram, como a Record e a Tupi, e todas disputavam a audiência dos ouvintes caçando e lançando novos artistas em shows de calouros. Nesse processo surgiram grande nomes da música popular do Brasil, como Ary Barroso, Dalva de Oliveira e Orlando Silva.

A Rádio Sarau pretende transportar você para um lugar onde o tempo estacionou em uma Maria fumaça na praça e de lá irradia as melhores emoções e experiências sob o som de belas canções cheias de poesia e sentimento. Onde a Era de Ouro do Rádio não passou.


Coral Vozes de Conservatória 

O coral é dirigido musicalmente pelo maestro Antônio Carlos da Silva, de Valença, que acompanha o grupo ao piano ou ao teclado, de acordo com o local de apresentação. O repertório é exclusivo de música popular brasileira, de acordo com a característica de Conservatória, e inclui pout pourris de jovem guarda, samba, bossa nova, marchinhas etc.       

http://jornaldeconservatoria.com /

As belezas de  Conservatória.

Conservatória reserva muitos atrativos além da música e da poesia no bucolismo de suas ruas sonoras.

O visitante poderá conhecer o Cine Centímetro, uma réplica perfeita do Metro Tijuca onde seu proprietário, Ivo Raposo faz uma palestra sobre o glamour dos cinemas dos anos 40/50/60 e exibe trailers dos grandes clássicos como:  Cantando na Chuva  até festival Tom & Jerry.

Vale muito a pena visitar a Ponte dos arcos. construção do século XIX feita por mãos escravas e por onde passava a Maria Fumaça.

Outro ponto turístico incrível é a Serra da Beleza, a poucos minutos do centro histórico e com estrada asfaltada. De lá você tem uma vista que dá nome ao lugar, e ainda pode contemplar objetos voadores não identificados!

O museu Vicente Celestino guarda também acervos de Nelson Gonçalves, Gilda de Abreu, Guilherme de Brito, Nora Ney, Gilberto Alves, Emilinha Borba e  Ademilde Fonseca. O curador Wolney Porto recebe a todos com um sorriso e pronto para um bate papo sobre os bons tempos da era de ouro do rádio.

Estes são apenas mais alguns motivos para fazer as malas e vir para o "Pedacinho do Céu!"



O produtor .

Roberto Velasque é Seresteiro assíduo e atuante nos saraus e nas serenatas em conservatória. Co-produtor e apresentador dos eventos: Aniversário de Conservatória, Homenagem aos cantores do rádio, Café, Cachaça & Serenata, Noite da Bossa Nova, Dia do seresteiro, encontro de seresteiros. Participante do Coral Vozes de Conservatória. Curador da Radio Sarau, produz e apresenta uma programação voltada para que curte Conservatória 24 horas por dia 

O criador.








Jorge Luiz Moreno ( Moreno Fala Sério) é locutor / apresentador/ animador e produtor cultural. Ganhou em 2014 o prêmio A.P.C.A ( Associação Paulista de Críticos de Arte) com a Radio Sarau  ( melhor rádio da internet) 

Apoio cultural

Programa Fernando Gabeira em Conservatória.

Zé Maria Ferr

Desenha, pinta, toca, canta, compõe é  ator, escreve poesias, contos, histórias infantis, um artista completo. Zé Maria é artista autônomo que abandonou a carreira de advogado para se dedicar a arte. Seresteiro assíduo nas serenatas de Conservatória se tornou micro empresário na cidade. Publicou alguns livros de poesia  e tem 4 CDs gravados dedicados a seresta, serenata e a MPB.    

Coletânea

Seresta, serenata ou serenada era o entoar de canções românticas à noite, sob o sereno ou ao luar, pelas ruas, de preferência ante a janela da eleita. Seu surgimento à janela, ainda que apenas evidenciado através da vidraça, era o bastante para o pretendente. Nesta coletânea selecionamos um repertório abrangente de autores, instrumentista e interpretes da mais alta qualidade, em gravações muitas vezes raras capazes de satisfazer o apreciador da música de seresta. 

Juliana Maia 

A voz doce de Juliana Maia vai te para o mundo dos afetos. Seu repertório passa por grandes sucessos da música brasileira além de mergulhar no romantismo da seresta. Nascida em Conservatória, no interior do Estado do Rio de Janeiro, a artista escolheu a música como principal forma de expressão em sua vida. Juliana usa o canto como ferramenta para construir uma sociedade melhor.     


Lúcia 
Helena   

Em "Ternária", Lúcia Helena interpreta 18 valsas contemporâneas brasileiras, bem cercada por Maurício Carrilho, Lucina, Mauro Aguiar, Vidal Assis, Wladimir Pinheiro, Alexandre Caldi, Marcelo Caldi, Luis Barcelos, Pedro Franco e Marlon Júlio, em suas próprias canções, dentre outros convidados. Também no time de compositores: Paulo Cesar Pinheiro, Cristóvão Bastos,Guinga & Aldir Blanc, Sérgio Ricardo, Luhli, Luciana Rabello, Pedro entre outros



Playlist 

Verificação
informe os caracteres da imagem
Tenha também o seu site. É grátis!